.

.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Santuário das Aparições de Jacareí SP Brasil/Gravação do Vidente Marcos Tadeu Teixeira.
Vida dos Santos de Deus – Vol.3 – Relata a Vida de 5 Santos.


Vida dos Santos de Deus – Vol.2 – Relata a Vida de 2 Santos.


Vida dos Santos de Deus – Vol.1 – Relata a Vida de 5 Santos.

OBS.: DISPONÍVEL APENAS PARA OUVIR, QUEM QUISER ADQUIRIR ESTE CD ENTRE EM CONTATO CONOSCO.




SEGUE AQUI ALGUNS TRECHOS DA ESCRITORA CHIARA LUBICH, FALANDO DE NOSSA MÃE MARIA.

COMO É BELA MARIA!


Como é bela Maria, nossa Mãe, no perene recolhimento em que o Evangelho no-la apresenta: “Guardava todas estas coisas no seu coração”. Aquele silêncio pleno tem encantos para a alma que ama.
Como poderia eu viver Maria no seu místico silêncio, quando nossa vocação, por vezes, é falar para evangelizar, sempre em primeira linha, por lugares ricos e pobres, dos subterrâneos às ruas, às escolas, por toda parte?
Também Maria falou. E nos deu Jesus. Jamais alguém no mundo foi apóstolo maior. Jamais alguém teve palavra como a sua, Ela que nos deu o Verbo.  Maria, nossa Mãe, é real e merecidamente Rainha dos Apóstolos.
E Ela silenciou. Silenciou porque simultaneamente os dois não podiam falar. A Palavra há de pousar sempre no silêncio, como a pintura pousa na tela de um quadro.
Silenciou porque criatura. Porque o nada não fala. Mas, sobre aquele nada, falou Jesus e disse a Palavra que é Ele mesmo. Deus, o Criador e o Tudo, falou sobre o nada da criatura. Como então viver Maria? Como perfumar a minha vida com o seu encanto?
Fazendo silenciar em mim a criatura e deixando falar neste silêncio o Espírito do Senhor. Assim vivo Maria e vivo Jesus. Vivo Jesus em Maria. Vivo Jesus vivendo Maria.
A contribuição de Maria para a Redenção foi, sobretudo uma contribuição de vida, de silêncio e de lágrimas; não tanto de obras, de palavras ou de barulho.

“A CHEIA DE GRAÇA”

Diz São Luís de Montfort que Maria “não teve nenhuma atração mais forte e constante” do que a de “esconder-se aos próprios olhos e aos de todas as criaturas, para ser conhecida somente por Deus...” É exatamente o contrário de nós. Isto porque, em nós, pesa o pecado, enquanto nela, “pesava” a Graça.

EM NOME DE MARIA

“Em nome de Maria”: este poderia ser um grito de batalha, também na nossa época, para os que desejam fazer triunfar, em lugar do ódio, o amor; em lugar do mal, o bem; em lugar dos valores da matéria, os do Espírito. Em nome de Maria, a mais doce Rainha dos corações de ontem e de sempre!

O MUNDO JAMAIS COMPREENDERÁ

Uma coisa que o mundo jamais compreenderá é a fecundidade espiritual das virgens desposadas com Cristo.
Como Deus se serviu de uma Virgem para dar Cristo ao mundo, do mesmo modo se serve das virgens como canais para preparar o terreno à vinda de Cristo nas almas.
A verdadeira virgem é mãe de almas e isto é muito mais precioso aos olhos de Deus do que a maternidade natural.
Contudo, considerando que é o amor para com Deus que virginiza em qualquer estado de vida uma mãe, um pai, um jovem, um velho, um noivo, se amarem a Deus e o colocarem em primeiro lugar na escala dos valores, deixando que o Espírito Santo ordene dentro deles a caridade, poderão tornar-se pais e mães de almas, e disto nascerão imensas possibilidades para a difusão do Reino de Deus no mundo.

MARIA, A TODA BELA

Pensamos demasiado pouco na “paixão” de Maria, nas espadas que transpassaram o seu coração, no tremendo abandono sentido no Gólgota, quando Jesus a confiou a outros... E talvez tudo isto se deva ao fato de Maria ter sabido cobrir muito bem de doçura, de luz e de silêncio a sua angustiante e viva agonia.
Com efeito, ela é para nós a Imaculada, a toda bela, a Mãe de Jesus. Mas talvez não a “crucificada”. E “no entanto” não há dor igual a sua...
Se um dia os sofrimentos atingissem vértices tais que tudo dentro de nós parecesse rebelar-se, visto que o fruto da nossa “paixão” parece ser tirado das nossas mãos e muito mais do nosso coração, recordemo-nos de Maria.
Será através deste gelo que nos assemelharemos um pouco a ela; que se delineará melhor, nas nossas almas, a figura de Maria, a toda bela, a Mãe de todos, porque desapegada de todos, principalmente do divino Filho, por vontade divina.

VIVER DENTRO


Queremos converter-nos, Senhor. Até hoje, vivemos “fora”; doravante, devemos viver “dentro”, como Maria.
Porque, mesmo o viver “fora”, voltado para o próximo ou para as obras ainda que seja por amor a Deus se não for corrigido por uma força espiritual que atrai a alma continuamente para o seu íntimo, pode tornar-se motivo de divagação, com muito tagarelar inútil, com “coisas santas” dadas aos “cães”.
Viver “dentro”, crescer interiormente, desapegar-se de tudo, não para permanecer suspenso entre o céu e a terra, mas “enraizado” no  Céu, fixo no coração de Cristo, através do coração de Maria, numa vivência trinitária, prenúncio da vida que virá.
Viver “dentro” e oferecer ao próximo unicamente a seiva que jorra do Céu dentro de nós, a fim de o servirmos realmente e não o escandalizarmos com a nossa tão pouca santidade.
Viver “dentro”, como Maria, a inigualável, a Mãe amada, a Rainha, a Guia que vence Satanás ancorado em Deus e não através de atitudes exteriores tão distantes dela como a terra do céu.
Viver “dentro”, pregados na cruz por nossas próprias mãos, para que Cristo continue, também através de nós, a obra de reunificação de um mundo volúvel que sofre,que espera, que quer esquecer, que tem medo, e do qual se compadece hoje o nosso coração como ontem se compadeceu das multidões o de Jesus.
Viver “dentro”, para arrastar o mundo que vive apenas “fora”, aos abismos dos mistérios do espírito, onde nos elevamos, repousamos, recebemos conforto, ganhamos novas forças e reencontramos alento para voltar à terra e continuar a batalha cristã até a morte.

O DEUS DESCONHECIDO


Quando o barco de nossa vida inunda e a tempestade ameaça,
 Pronunciamos um nome que floresce dos lábios de quem sofre até mesmo no derradeiro suspiro: Mãe.
Nem sempre se referem à mãe terrena, antes, para a alma familiarizada com as coisas eternas, esse nome quer dizer: Maria.
 E isto é tão verdadeiro que “mãe” é o grito constante dos corações doados a Deus nos momentos de desolação. Minha mãe!
 Aqui se encerra o segundo milagre do amor após a Redenção: um Deus encarnado, uma mãe para todos. Em Maria, o cristão encontra toda a esperança.
 Quantas vezes nos interrogávamos como fizera Maria para viver sobre a terra sem poder invocar, uma mãe, a Mãe, nas longas agonias do seu coração sangrado.
 E a íntima união da sua alma com Deus revela o esplendor sem par, a grandeza, a singularidade daquela que se mostrou “mais divina que humana”.
 Deus, sem dúvida, assim como é para nós e muito mais ainda foi o repouso do seu coração. Mas não terá amado Alguém que lhe representasse como também Ela representa para nós a identificação mais específica, com o Amor?
 Imagino que Maria encontrou algo semelhante e num plano bem maior, infinitamente maior daquilo que nós encontramos nela.
 Ela ao longo do seu drama terreno a serviço do Pai, nos cuidados com o Filho, encontrou a tranqüilidade, a consolação, força e audácia, a capacidade de viver, quando mil e uma mortes a teriam esmagado,
 Naquele que sustentava a Igreja na sua época e em todas as épocas: o Espírito Santo, Deus desconhecido.
Perceberemos no nosso exame final, com um profundo arrependimento, que talvez não o tenhamos amado, honrado e louvado suficientemente.
 Ele, a alma do Corpo Místico de Cristo, a fortaleza dos mártires de todos os tempos, a fluência das vivas águas de qualquer sapiente, a luz dos enviados de Deus, a certeza dos Papas, o mestre dos Bispos, o perfume das virgens.
 Ele conviveu com a Imaculada encontrando as suas delícias em plasmar, na intimidade, a Flor das Flores. E Maria, nele e por Ele, elevou o desejo expresso por nossos corações humanos através da doce palavra “mãe” à própria dimensão de Deus.




V. Enviai o vosso Espírito, e tudo será criado.
R. E renovareis a face da terra.
Oremos. O’ Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo; concedei-nos que no mesmo Espírito conheçamos o que é reto, e gozemos sempre as suas consolações. Por Cristo Nosso Senhor.
, R. Amém.



Venham participar conosco, do cenáculo do dia 29 de Janeiro de 2012/ No Santuário das Aparições de Jacareí tenho certeza que vão gostar.

Telefone do Santuário: (0xx12)9701-2427
Endereço: Estrada Arlindo Alves Vieira, nº 300
Bairro Campo Grande - Jacareí-SP -


Nenhum comentário:

Postar um comentário