.

.

sábado, 3 de setembro de 2011

03 de Setembro


Gregório nasceu em Roma (12 março 540), numa família da aristocracia tradicional romana. Aos 25 anos foi nomeado prefeito da cidade. Grande admirador de São Bento de Núrsia, fundou em sua residência uma comunidade monástica sob a Regra beneditina e se fez monge, quando se dedicou com assiduidade à contemplação dos mistérios de Deus e à leitura da Escritura. Não continuou sua vida no mosteiro, quando, em 579, o Papa Pelágio II o enviou como seu apocrisiário (núncio apostólico) à corte imperial de Constantinopla durante seis anos.
Quando terminou sua missão na corte, passou pouquíssimo tempo em seu mosteiro, pois em 03 setembro 590 o povo, o clero e o Senado de Roma o elegeram Papa, para suceder a Pelágio II. Ele, inutilmente, pediu ao imperador que não confirmasse sua eleição. Em seu tempo, a Cidade foi flagelada por uma terrível peste. Gregório I, para implorar o auxílio divino, oficiou por três dias consecutivos uma procissão até a Basílica de Santa Maria Maggiore, o que aumentou o contágio. Contudo, diz uma lenda, que durante uma das procissões, o Arcanjo Miguel apareceu e guardou sua espada na bainha, como que para anunciar que a epedemia cessaria. Desde então, o local passou a chamar-se Castel Sant´Angelo e uma imagem do Arcanjo foi posta na parte superior.Durante seu pontificado, a Espanha converteu-se ao Catolicismo. Com a ajuda da rainha inglesa, após a conversão da Grã-Bretanha, realizou um belo sonho: enviou 40 monges beneditinos, sob a guia de Santo Agostinho de Cantuária, superior do mosteiro de Santo André, em Roma, e que foi o primeiro bispo de Cantuária (Canterbury). Reformou a liturgia e o canto sacro, que tomou o seu nome. Compilou o elenco dos sete pecados capitais: soberba, avareza, inveja, ira, luxúria, gula e preguiça. Combateu a heresia donatista, que negava o poder de a Igreja perdoar os pecados e a validade dos sacramentos administrados por hereges. De suas homilias e comentários bíblicos restam inúmeros, onde podem ver a extraordinária eloquência unida a um profundo conteúdo teológico. Faleceu no sono do Senhor a 12 março 604, após fecundo pontificado. Como aconteceu ao papa São Leão I, não sem razão, o povo uniu o termo "Magno" ao seu nome.
São Gregório Magno, rogai-por nós!

Nenhum comentário:

Postar um comentário