.

.

terça-feira, 24 de abril de 2012


O Evangelho da Solidariedade
Jesus com os pobres, os pecadores, os não-violentos

Uma vida como oferta

Um dervixe, 1 ao terminar de transmitir aos seus discípulos a sua doutrina, disse-lhes certo dia:

"É chegado o tempo de percorrer um novo caminho. Nem eu mesmo sei aonde ele levará. Só sei que durante a viagem algo importante vai acontecer. Aquele que se tiver deixado penetrar docilmente pelos meus ensinamentos, me seguirá. Saiba, porém, de uma coisa: quando eu, seja lá em que momento for, levantar os braços para o céu, ele deverá gritar: 'Quero morrer no lugar do dervixe!' "

Dos sessenta alunos do mestre, cinqüenta e nove recusaram esta condição. Somente um deles o seguiu.

A viagem transcorreu sem empecilhos, até chegarem a uma cidade conquistada havia pouco por um tirano. Este, pouco antes da chegada deles, tinha ordenado aos soldados: "Prendam o primeiro vagabundo que entrar na cidade e conduzam-no à minha presença. Será condenado à morte. Servirá como lição para todos os vagabundos deste país".

Quis o caso que o próprio discípulo do dervixe fosse barrado, algemado e atirado aos pés do tirano: "Você vai morrer", disse-lhe este," para que todos saibam que neste país quem não trabalha não come! Matem-no!", ordenou aos soldados.

A esta altura, o dervixe, que tinha acompanhado tudo de longe, avançou para a multidão, gritando: Ó tirano, mate-me a mim! Fui eu que convenci este jovem a levar uma vida errante!", e assim dizendo ergueu os braços para o céu.

O discípulo pôs-se então a gritar: "Nada disso, majestade! Eu é que quero morrer no lugar do dervixe!"

O tirano, espantado e irritado ao mesmo tempo, consultou seus conselheiros.
Mas o dervixe falou:
"Majestade, estava predito que um homem seria morto hoje, neste lugar, e que haveria de ressuscitar para viver eternamente junto com os Imortais. Naturalmente, eu e o meu discípulo ambicionamos ser este homem!..."

"Por que torná-los imortais, quando eu próprio não o sou?", pensou consigo mesmo o tirano. E deixou-os dervixe lhe havia pedido a vida para poder salvá-la.

Com esta parábola a tradição muçulmana ensina aos seguidores de Maomé o valor de uma vida apresentada como oferta. Mas a parábola propõe ideais presentes também no cristianismo: a necessidade de "caminhar" ao encontro de si mesmo; a capacidade de morrer por um ideal; a alegria de salvar a vida de outra pessoa; a consciência de que só possuímos realmente aquilo que oferecemos aos outros;  a intuição de salvar a própria vida somente perdendo-a; a felicidade de crer na amizade que atinge alturas sublimes quando se realizam as palavras do Mestre!

"Não  existe amor maior do que dar a vida pelos 
amigos" (Jo 15,13)


São Marcos Evangelista

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo que deu a seu discípulo Marcos
a graça do apostolado cristão e a narração do seu Santo Evangelho.
São Marcos rogue por nós!
Para que sejamos iluminados pela força do Evangelho Amém!

Glorioso São Marcos que foste sempre estimado na igreja, não só pelo povo que o santificaste, como pelo Evangelho que escreveste, pela virtude que praticaste e pelo martírio que sofreste.
Concedei a nós a graça de imitar a virtude vencendo as dificuldades da vida e que nada me faça afastar de Deus quando estiver com a razão e a verdade, Amém.




Nenhum comentário:

Postar um comentário